quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

Traição...

Não consigo deixar de me sentir traido, sei que é um pensamento estranho, mas parece que tudo que eu tinha, tudo que acreditei, me traiu de todas as meneiras que julguei possivel, traido pela vida, pelo mundo, pelas pessoas, pela fé, traido por meus sentimentos... sinto como se não pudesse confiar em ninguém, pior, sinto como se meu maior inimigo fosse eu mesmo, minhas idéias se contradizendo a todo tempo, sinto as palavras, os sentimentos escapando por meus labios, em cada palavra em cada movimento me entregando me despindo, as pessoas reclamam das mascaras, mas só por que não sabem o quão dificil é viver sem elas, sinto-me exposto, nu diante de pessoas que apontam e julgam cada falha cada duvida cada engano cometido cada cicatriz e imperfeição, não sei o que é pior, se é o fato de estar sendo julgado pelos meus pecados ou o de merece-los.

Uma vez disseram que a pior das mentiras é a que você dirige a si mesmo, a traição não fica atrás, acho que eu já esperava que todo o resto fosse me trair, mas não esperava isso de mim, me julgava entendedor dos meus próprios problemas achei que lutariamos juntos até o fim, pensei que eramos inseparaveis, mas hoje começo a me despedir de mim mesmo, hoje mais um pedaço de mim fica pra trás e temo que logo em breve não haja mais pedaços para me desfazer e por fim sobre apenas o resto de alguma coisa que um dia foi eu. sabe, eu não tinha notado como venho me perdendo pelo caminho, como perdi tanto de mim em tão pouco tempo, pelo menos até hoje, não que fossa fazer alguma diferença se tivesse descoberto tempos atrás, não como se fosse capaz de evitar quaquer coisa, no momento a ultima coisa que me sinto é capaz de fazer algo... Se o tempo cura todas as feridas, por que me sinto mais doente e ferido a cada segundo.

Queria poder olhar o mundo com a mesma beleza que via anos atrás queria ainda enchergar jiboias abertas e fechadas em pedaços de papel desenhadas por dedinhos gordos e miudos, queria não ser assim tão sério o tempo todo, e não parecer desesperado quando sorrindo, queria poder ter a certeza de que um amanhã virá e com ele uma nova esperança, mas acontece que o maximo que consigo são dias um pouco melhores com alguns sorrisos e alguma distração. as vezes, em dias assim, lembro de coisas que não tenho certeza se um dia existiram, mas que as vezes parecem tão reais, pessoas reunidas como naqueles filmes com familias enormes sempre rindo e fazendo besteiras, partidas de futebol em campos de areia improvizados na beira da praia, todos como pinturas borradas e envelhecidas, sabe, quase sinto a areia entre os dedos, só pra acordar percebendo que isso não é real, que ainda estou aqui e o tempo ainda age contra mim, que a vida não é como deveria ser.

Vocês nunca tiveram aquela sençasão de que está tudo errado, que o mundo não é como deveria ser, que alguém em algum momento cometeu um grande erro e mudou tudo, eu me sinto assim em quase todo o tempo...

No fim acho que sinto falta de sentir meu coração bater, se não por alguém, quem sabe por mim mesmo... desculpem a ausencia, perdoem os erros e o texto feito meio que de qualquer jeito, mas só estou aqui tirando as teias dentre os dedos. Boa Noite pors que passarem por aqui!

9 comentários:

Mila disse...

De vez em quando sinto isso, essa coisa de parecer que não sou eu mesma dentro da minha própria vida.
A Mila de hoje nem de longe se parece com a de ontem.
O que talvez seja importante é que continuo tentando ver jibóias abertas e fechadas ao invés de ver o chapéu. Mesmo que seja muito mais prático ver o chapéu, eu quero continuar vendo a jibóia.
=)
***
O que é estranho?
Não entendi seu comentário... rs

Bjs

Mike disse...

John, essa sensação de que tudo está errado é mais rotineira na vida dos outros do q vc pensa... pelo menos na minha é constante!!!

Este teu texto me lembrou parte de um diálogo de uma peça que escrevi há alguns anos... era assim:
"Aqui eu me sinto dentro de uma cápsula, com as mãos presas, os olhos vendados, sem voz, sem nada... mínimo, insignificante. Eu sinto que a minha vida está em algum lugar, me esperando, mas eu não sei onde fica este lugar... Entende? Eu não acho este lugar e continuo perdido, entre perguntas que eu não sei responder. Eu não consigo encontrar uma saída e fico dando voltas e voltas e voltas em torno de mim mesmo, em torno do vazio do meu coração, que não significa nada, nem pra mim, nem pra ninguém!"

Boa sorte na tua auto-descoberta
É dolorido, mas necessário...
Grande abraço

Helena disse...

Estou aqui sentada chorando por causa de uma briga que estou tendo com meus pais.
Estou quebrada porque eu me trai e porque menti pra mim mesma.
O lado ruim de quando acontece com voce, é que voce nao tem a quem culpar e as vezes nao sabe nem como sentir seu proprio chao...

Jacinta disse...

Rapaz!
ontem pensei em escrever algo parecido. Aliás, escrevi nos meus rascunhos e deixei lá. Aí, releio o que falo de mim prá mim.
E então, percebo que não estou sozinha.
Um abraço
Jacinta

[KeLLy ViAnA] disse...

SEu TeXtO ME Faz lEmBrAr Do qUe SiNtO áS vEzeS.aDoRei!!

bjOO!!

Paula disse...

John,
esta sensação de algo incompleto é pertinente aos seres humanos, somos todos sistematicamente insatisfeitos...
o trecho "de sentir meu coração bater, se não por alguém por mim mesmo..." é de uma veracidade assustadora.
bjos.
t+

Flavia disse...

Hoje eu estou me sentindo assim também... traída por mim mesma.
Acho que andava tão desesperada para meu coração bater mais forte por alguém, que deixei que ele batesse pelo primeiro que apareceu, quando na verdade temos que deixar nosso coração bater no ritmo normal e encontrar algum outro coração que bata na mesma frequência.

Bjos!

bruxildo disse...

Há três gêneros de cérebros: um entende pôr si mesmo, outro discerne
aquilo que os outros entendem e o terceiro não entende nem a si nem
aos outros. O primeiro é excelentíssimo, o segundo é excelente e o
terceiro inútil..." (* Maquiavel, Capitulo XXII)


Escrito por Paula T. às 22h30
[(0) Comente] [envie esta mensagem] [link]

Anônimo disse...

Assistindo um destes programas de divugação de pesquisas na área de neurociência.... Liberty....

O video explicava que somos mera consequência... não há livre arbítrio. Segundo os cientistas a resposta de nosso cérebro, por mais instantânea e/ou impulsiva que possa parecer, á na verdade resposta a uma preparação antecipada deste órgão.

Sim! Não somos nós quem decide fazer determinada ação e depois ordena o cérebro para cumprí-la..... Mas o inverso: uma série de pensamentos inconscientes se organizam, estimulam incoscientemente o cérebro que depois inicia uma preparação para então surgir o impulso, o desejo e desencadear a ação propriamemte dita.

Louco isso, não?

Nem sobre os próprios pensamentos temos poder. Alguém realmente acreditou que teria poder sobre o seu próprio pensamento?...



Escrito por Paula T. às 18h18
[(0) Comente] [envie esta mensagem] [link]


13/12/2007

Agência Indusnet Fiesp